Publicado en línea el Miércoles 9 de septiembre de 2020, por Correio24horas

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, confirmou nesta quarta-feira (9) que o governo assinou um acordo de confidencialidade para testar a vacina russa contra a covid-19 no estado. A ideia é que a Bahia seja responsável pela comercialização desta vacina do Brasil – antes, o protocolo de testes precisa ser aprovado e a testagem ocorrer bem.

“Nós estamos em negociação com a Rússia já há duas semanas. Nós já havíamos assinado um memorando de entendimento, visando iniciar as tratativas para testar aqui no Brasil a vacina russa Sputnik V em 500 participantes. Ontem nós concluímos o acordo de confidencialidade, que é um documento que a gente se compromete a receber informações sigilosas deles, tratar de forma interna e confidencial, e a partir disso decidirmos, com base no que a gente vai ver, se a gente quer dar seguimento no projeto”, explicou o secretário, em evento de inauguração de uma Unidade Básica de Saúde em Pirajá.

Depois disso, o protocolo deve ser submetido ao Comitê de Ética do Instituo Couto Maia, ao Conselho Nacional de Ética e Pesquisa (Conepe) e também à agência reguladora Anvisa. “Se eles aprovarem o protocolo, dentro de um mês a gente pretende iniciar esse estudo da vacina russa aqui na Bahia”, afirmou.

A ideia é que a Bahiafarma seja usada para negociar a vacina no país. “A proposta é que a Bahia seria a responsável pela comercialização da Bahia no Brasil, através da Bahiafarma. O governo federal pode comprar da Bahiafarma, se decidir comprar a vacina russa, e deverá comprar todas as vacinas, porque não vai ter suficiente”, diz.

O governador Rui Costa também falou do tema. “Avançamos agora com um protocolo mais formal e devemos estar recebendo em breve o lote de 500 doses, 250 da vacina e 250 placebo, que vamos aplicar para participar dessa linha de pesquisa dessa vacina russa, que felizmente os primeiros testes feitos em instituições na Europa apresentaram resultados positivos”, disse. “O que tenho lido sobre essa vacina é que segue a linha mais tradicional, mais antiga do mundo, de produção de vacina. O que torna o processo talvez mais seguro e talvez a taxa de acerto dessa vacina vai ser maior, porque não tem inovação, é a prática mais antiga, mais consolidada”, acrescentou.

Mesmo assim, Rui disse que continua buscando parceria para outras vacinas, “sem nenhum preconceito ideológico, dogmático” em relação aos países fabricantes.

Estudo publicado pela revista The Lancet sobre as fases 1 e 2 de estudos mostrou eficácia de 100% da vacina russa, mas cientistas dizem que ela ainda precisa de mais testes. No Brasil, a vacina seria testada em uma população etnicamente diferente da russa.Vacina de Oxford O secretário e o governador também comentaram a suspensão de testes da vacina de Oxford, da Inglaterra, que também tem testes em andamento na Bahia.

“É por isso que a estratégia nunca deve ser colocar todos os ovos numa cesta só, não apostar numa única linha de vacina. Na ciência é assim, você abre linhas de pesquisa e algumas vão dar certo e outras não vão dar certo. Por isso o ideal é que o país planeje apoiar e participar de várias pesquisas de vacina, independente da nacionalidade”, reafirmou Rui.

Já Vilas-Boas disse que a vacina de Oxford é “completamente diferente” de todas as outras que estão sendo testadas, por usar um adenovírus de chimpanzé como vetor. “Não sabemos qual foi o efeito adverso grave que foi relatado, isso não foi dito ainda, nem se isso está relacionado ao vetor viral ou ao gene incorporado do coronavírus. Mas de qualquer forma, qualquer evento adverso relacionado a essa vacina não pode ser pressuposto para outras vacinas porque ela é única”, afirmou.

Ele destacou também que a vacina da Pfizer, testada aqui pelas Osid, também é inovadora. “Não tem vetor viral e é uma vacina que está testando segurança e eficácia. É uma interrogação, mas tende a ser uma vacina bastante segura”, acredita.

As vacinas russa e a chinesa são as mais tradicionais. “Das vacinas modernas, a que tem a maior base de aplicação em todo mundo”, diz. “Não devemos esmorecer ou achar que não vai dar certo, porque essa vacina de Oxford é totalmente diferente”.

Fonte: Correio24horas

The post Proposta é que Bahia comercialize a vacina russa no Brasil, diz secretário appeared first on Adital .


[ Imprimir este artículo ] [ Enviar a un amigo ] [ Ir a la cabecera ]
 

 
 

   APPS

   ASIA

   DEMOCRACIA

   DERECHOS HUMANOS

   DESARROLLO/GLOBALIZACIÓN

   DIÁLOGO NORTE-SUR

   ECOLOGÍA VS ECONOMÍA

   ENLACES - LINKS

   ESTADÍSTICAS

   EUROPA

   LATINOAMÉRICA

   OLVIDADOS POR LA HISTORIA

   SOLIDARIDAD

   TRIBUNA LIBRE



LISTA DE CORREO


�Desea participar al enrequecimiento de esta p�gina?

�Quiere denunciar alguna situaci�n?

Env�enos su art�culo a esta direcci�n de correo electr�nico:

   webmaster@respublicae.org

[ Mapa del sitio ] [ Ir a la cabecera ]

 


 
En la misma sección

Leer otros artículos :
Ex-assessor de Carlos Bolsonaro é exonerado do comando da Funarte
Colombia: Gobierno debe proteger a personas defensoras de los derechos humanos y comunidades ante creciente violencia
La violencia con armas de fuego en Estados Unidos es una crisis de derechos humanos
70ème anniversaire de la République populaire chinoise : l’effacement de l’histoire, par Manlio Dinucci
Moscou et Washington contre Ankara, par Thierry Meyssan
Myanmar: Apropiación militar de tierras a medida que las fuerzas de seguridad construyen bases en pueblos rohingyas incendiados
Estados Unidos: Arkansas mata a un preso en la primera de una terrible sucesión de ejecuciones
Nigeria: Las autoridades deben parar los intentos de encubrir la masacre del peaje de Lekki
23/06/16 - Más allá de un millón de palabras, y de lágrimas por «el Marre»
UE: Solicitantes de asilo deben ser trasladados de terribles condiciones en las islas

EN LA RED :
Campagne médiatique antichinoise organisée par l’Australie
Londres a organisé des attaques contre Moscou (Lord Sedwill)
Qu’est-ce qui intéresse les Russes dans la guerre du Haut-Karabagh ?, par Valentin Vasilescu
Covid : un couvre-feu pour quoi faire ?, par Thierry Meyssan
Selon Washington, c’est l’Azerbaïdajan qui ne respecte pas le cessez-le-feu
Ilham Aliyev : « Il n’y aura pas de référendum [au Karabagh], jamais ! »
L’Arménie et l’Azerbaïdjan sont les perdants et les États-Unis les grands gagnants, par Valentin Vasilescu
Karabagh : la Grèce, la Russie et la Turquie se préparent à entrer en guerre

[ Ir a la cabecera ]
 

Portada En breve Mapa del sitio Redacci�n


Respublicae.Org es un portal abierto que se nutre de los trabajos de muchos colaboradores ben�volos externos, de diferentes origen e ideolog�a. Por lo tanto, los administradores de este portal no se hacen responsables de las opiniones vertidas en los art�culos que aqu� se publican.
Copyright © RESPUBLICAE.ORG 2003-2007
Sitio web desarrollado con SPIP, un programa Open Source escrito en PHP bajo licencia GNU/GPL.
Dise�o © Drop Zone City & Respublicae.Org